terça-feira, 19 de julho de 2011

Palimpsesto

)
Ou todo homem nasce original e morre plágio.


Sou refém de minhas referências,
do que li ao longo da vida –

das bulas de remédio
aos compêndios da alta ciência,
folhetos,
folhetins,
antologias.

Estratos de palavras
acumulam-se
e vão se sedimentando em mim,

a ponto de se mesticizar
tão de todo
que é infactível
demarcar os confins

entre a coletânea e o ineditismo.
Como separar
as frases que plantei
daquelas que colhi
em florilégio alheio,
se crescem no mesmo
buquê de vocábulos?

Existo nessa folhagem,
entre o abrir e fechar de páginas,
redigindo capítulos
de um livro vivo,
essa casca tênue que sou,
reescrita
todos os dias.


10 comentários:

Talita Prates disse...

que bom termos a Palavra como casa/caminho.

adorei!

um beijo,

Talita.

Fabrício Franco disse...

Poetisa,

... Tendo,também, a ins(piração) como nossa rosa dos rumos.

Beijo!

Nanda disse...

Apesar de todas as referências, cada ser humano é único. Feliz Dia do Amigo! =)

Will Carvalho disse...

Somos o que do outro ficou em nós...

Belas palavras...

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


COMPARTIENDO ILUSION
FABRICIO

CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...




ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE TOQUE DE CANELA ,STAR WARS, CARROS DE FUEGO, MEMORIAS DE AFRICA , CHAPLIN MONOCULO NOMBRE DE LA ROSA, ALBATROS GLADIATOR, ACEBO CUMBRES BORRASCOSAS, ENEMIGO A LAS PUERTAS, CACHORRO, FANTASMA DE LA OPERA, BLADE RUUNER ,CHOCOLATE Y CREPUSCULO 1 Y2.

José
Ramón...

Fabrício Franco disse...

José Ramon,

Sufrí una rara conmoción por su comentario. Le agradezco su lectura en mi rincón en Internet. Es raro que un lector de otro idioma, aunque el español está tan cerca de el portugués, aparecer aquí. Siempre es bienvenido.

Matheus Matos disse...

Como não ser um plágio em meio as referências que nos constroem?? Definitivamente somos plágio dos que já se foram e que também foram plágios.....

mas sempre deixamos uma semente de originalidade na nossa existência...

Fabrício Franco disse...

Matheus,

... É nessa busca de originalidade, que cresce em nós, de alguma forma, que eu persisto em escrever.

Obrigado pela visita! Volte sempre!

Fabrício Franco disse...

Will,

Só vi seu comentário hoje. Muito obrigado pela visita e pelas palavras. Fico honrado com sua presença por aqui!

Abraço!

Fabrício Franco disse...

Nanda,

Obrigado, sempre e mais, pelas visitas! Abraço!

 
;