segunda-feira, 23 de abril de 2012

Voo


24 comentários:

Ariana Zahdi disse...

Não sei se ando cega ou sem asas...

Bj, querido.

Fabrício Franco disse...

Ariana,

Quem sabe você não seja, tão simplesmente, uma sereia, talhada não a voar, mas perscrutar as profundezas do grande oceano?

Beijo!

Su Palanti disse...

Quem sabe o azul do céu incentive nosso voo...
Quem sabe nosso voo é que incentive este azul...
Queria ter azas para me levar onde a minha imaginação e palavras não alcancem.
Impecável, como sempre Fabrício!
Bjusss

Fabrício Franco disse...

Suzana,

Deixar-se flanar por aí pode ser um bom começo... Abrir as velas da imaginação é parte primeira do deixar-se levar...

Abraço!

Talita Prates disse...

O voo do pássaro inventa tanta coisa...
(quantas metáforas são possíveis?!)

Um beijo.

Talita.

Fabrício Franco disse...

O limite das metáforas está na imensidão do olhar de quem tem disposição de voar. Ou escrever sobre. Como você, Poetisa.

Outro beijo!

Raquel Sales disse...

Fabrício,

Retrizes, rêmiges, plumas, plúmulas... tão leves, tão suaves. A força que delas emerge foi solução para um réptil alçar voo e inventar o céu.
Verbos, substantivos, adjetivos, artigos... tão breves, tão impregnados de significados. A força que deles você retira é solução para alçar voo e (re)inventar a segunda-feira.

Que a semana lhe traga bons voos.

Bj

Fabrício Franco disse...

Raquel,

... Depois você diz que não sabe escrever. Imagine se soubesse. (Dê-se mais crédito, viu?)

Que a semana seja pródiga em bons voos, para você também!

Abraço!

Will Carvalho disse...

E não é isso o poeta? Um passáro carregando um céu de significados com suas asas, seus rasantes, seu flutuar.

Que bom que vocês existem. Retiram um pouco o peso, o medo.

" Eles são muitos, mas não podem voar"

Nanda disse...

Se não me engano, é uma reprise e sempre bem-vinda. =) Boa semana!

Fabrício Franco disse...

Will,

Não se exclua do grupo. Agora, depois que o li, você também voa. Bem-vindo ao bando, poeta!

Obrigado pela visita!

Fabrício Franco disse...

Nanda,

... Reprise não, reedição. Certas mensagens merecem ser melhor buriladas antes de serem ditas.


Obrigado pela visita!

Anônimo disse...

Não é o poeta que explica a vida na poesia. É a poesia que explica o poeta e o ensina a viver.

Beijo, perdão pela ausência.

Patricia.

Fabrício Franco disse...

Patrícia,

Não se desculpe. Que bom que ausência virou presença. Seja sempre bem-vinda!

Um beijo.

Rafaela Gomes Figueiredo disse...

assim como a palavra...

sábio, Franco!

abraço.

Fabrício Franco disse...

Oi, Rafaela!

A palavra é pipa, a gente solta e tenta alcançar uma corrente de vento que a leve ao mais alto possível, à maior distância. E ficamos como meninos, boquiabertos, vendo sua trajetória no azul.

Abraço fraterno!

Rafaela Gomes Figueiredo disse...

q delícia: palavra pipa! :)

Fabrício Franco disse...

E não somos exatamente assim, você e eu, brincantes de pipa?

Beijo!

Anônimo disse...

Leio seu texto e penso...
Palavras geram sentimentos. Sentimentos geram comportamentos.
Encanta-me seu voo majestoso nas asas das palavras! Escreva sempre.Siga o impulso. Deixe fluir!
( Como leitora,tento alcançá-lo!)
Grande abraço,
Andrea Marcondes

Fabrício Franco disse...

Andrea,

Vezes sem conta, pego-me rumando na direção literária apontada pelos minhas leituras, por assim dizer, genitoras. Acredito que você saiba, tanto quanto eu, onde é esse norte.

Obrigado pela leitura gentil!

Grande abraço!

Flávia disse...

Voar é preciso.

Fabrício Franco disse...

Fláwer,

... Outra forma de singrar as distâncias, não é?

Obrigado por pousar por aqui.

Beijo terno!

Fernanda Fraga disse...

Pelas asas que vooam, o céu é o encontro onde o pássaro voa, voa e nos encontra.

Um bjo

Fabrício Franco disse...

Fernanda,

... Vezes há que o nosso voo é ficar com o horizonte rente ao olhos, as palavras nos fazendo companhia.

Obrigado pela visita!

Abraço!

 
;