domingo, 17 de junho de 2012

I Ching


No jogo das moedas, 
ou fico ou passo.

Melhor: 
                   ou fícus 
                   ou pássaro.

10 comentários:

Rafaela Gomes Figueiredo disse...

ora, legal te ver por esse viés mais... lúdico!
:)

beso

Fabrício Franco disse...

Vezenquando, Rafaela, é bom brincar com as palavras, deixá-las me levar onde querem.

Beso, caríssima!

Nanda disse...

Lembrei de quando tentava entender um pouco de I Ching. Adorava interpretar os significados dos hexagramas; mas eles continuam um mistério. E adorei ojogo de palavras. =D

Fabrício Franco disse...

Nanda,

Houve época em que eu também buscava entender o fado por detrás desses símbolos. Hoje, meio que desisti, por saber que há sempre mais símbolos a serem interpretados...

Obrigado pela visita!

Raquel Sales disse...

Fabrício,

Quanto ao trocadilho: bem charmoso...
Quanto ao dilema da escolha: que tal plantar fícus para ajuntar pássaros???

Inté...

Fabrício Franco disse...

Raquel,

Sugestão mais do que anotada! Só mesmo uma bióloga para dar a solução.

Abraço e inté!

Will Carvalho disse...

Acho que - por vezes- a poesia não precisa ser entendida, como uma teoria matemática. Basta que se sinta o impacto que ela lhe causa. O jogo de palavras, a sonoridade, as metáforas... o universo poético enorme, as maneiras de sentir, também.
abraço

Fabrício Franco disse...

Will,

Verdade... Nem tudo deve ser explicado. Cada um que leve sua compreensão até onde lhe caiba.

Abraço!

Su Palanti disse...

Sabe, um dia estava eu sentada à sombra de um grande ficus. Estava ventando e eu pensava na vida enquanto as pequenas folhas já amarelentas do Outono enfiavam-se pelos meus cabelos ou grudavam´se na minha pele suada pelo calor fora de época. Pensava nos pássaros que, teimosamente, reforçavam seus ninhos para proteger os pequenos ovos quase eclodindo. Pensei nos meus filhos, já crescidos e pensei que nenhuma moeda, por mais valiosa que fosse, eu trocaria pela felicidade de vê-los (meus filhos) felizes.
Puxa Fabrício, você poetiza com amor, dor, raiva e sentimentos ambíguos, ora felizes, ora tristes, mas sempre tocantes.
Bjusss

Fabrício Franco disse...

Suzana,

... Obrigado pelo elogio. O que intento, nem sempre conseguindo, é plasmar em palavras tudo aquilo que percebo, ou, como digo logo na abertura do Logomaquia, sou um sujeito em meio a uma algaravia de signos e significados.

Grato por sua leitura generosa!

Um beijo!

 
;