sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

À guisa de introdução


Levado a este istmo de quase saber o que estou fazendo, escrevo com um embaraço quase virginal. Nesse pedaço de todas as dúvidas, eu me ponho em xeque a cada caractere. Tenho um senso crítico ferocíssimo. 

Entretanto, como li em algum outro lugar, todos nós ansiamos por intimidade. E é isso que busco e ofereço, essa possibilidade de ser lido rente ao que pretendi, criar o pathos exato para que possamos, num átimo, encontrarmo-nos na mesma posição: unívocos no símbolo, seja palavra ou imagem.

Meu interesse jaz mais aquém, no debrum do que existe entre os signos. Padeço desta enfermidade que me impede de ser afásico, mesmo quando me quero em silêncio.

Sem pretensões além do próprio ardor de me expressar (esse comichão de todas as horas), este diário cibernético é apenas isso: “um delírio do simbólico num coito com os signos”.

4 comentários:

Will Carvalho disse...

O teu "sim" pra sua arte, significa muito para os que, como eu, têm nesse espaço um lugar para se renovar, se questionar, para pensar.

Fabrício Franco disse...

Will,

Os antigos já diziam "ars longa, vita brevis" (a vida, em sua brevidade, fazendo perdurar a arte). Eu estou no tentame de me fazer mais eterno.

Obrigado pela visita!

Raquel Sales disse...

Foi assim que tudo começou????

Um primeiro passo é sempre desafiador... Quando rende uma bela jornada, é gratificante.

Parabéns! Que vc conceda o privilégio de muitas outras letras...

Inté...

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

Obrigado pelo comentário. Nem sempre meus leitores se dignam a voltar tanto no tempo. A urgência do novo texto sempre se impõe...

Sim, aqui foi um dos (re)começos. O Logomaquia está na sua segunda versão, e este foi um dos primeiros posts, um tentame de justificativa de sua existência.

Inté!

 
;