domingo, 28 de dezembro de 2014 14 comentários

Isto (ou) aquilo


Isto é aquilo
que significa
nada.

Algo que não
está faltando.

Algo contudo,
não é uma coisa.

Coisa, mas não
alguma ou qualquer,
aquilo que não é
o oposto,
isto que é
a soma.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014 16 comentários

Epítetos (codinome eu)


Homem, amante, cônjuge,
parente, filho, pai,
irmão, vizinho, forasteiro,
ermitão, associado, condômino,
inquilino, habitante, intruso,
convidado, descendente, oriundo,
primo, tio, neto,
sobrinho, cunhado, genro,
visitante, acompanhante,
turista, cicerone, passageiro,
transeunte, carona, pedestre,
tripulante, parte, árbitro,
litisconsorte, eleitor, postulante,
testemunha, espectador, candidato,
acólito, freguês, consumidor,
paciente, cliente, herege,
celebrante, devoto, crente,
gentio, pecador, xamã,
leigo, perito, catecúmeno,
veterano, membro, colega,
participante, voluntário, subordinado,
proletário, trabalhador, empregado,
patrão, correligionário, súdito,
coadjuvante, professor, aluno,
leitor, ouvinte, remetente,
destinatário, vítima, signatário,
torcedor, ativista, plebeu,
cidadão, interiorano, proprietário,
contribuinte, representante, substituto,
padrinho, amigo, oponente,
adido, fiscal, emissário,
palestrante, autor, repórter,
notícia, figurante, sujeito...

O indivíduo, 
vulgo eu.

domingo, 23 de novembro de 2014 16 comentários

Moratória


Não me importa
se você vai demorar
: não tenho pressa.


domingo, 9 de novembro de 2014 12 comentários

Farol


Estendo-me pela praia até o mar,
meus raios abruptos sobre as ondas
enrugadas como papel molhado.
Empoleirado em meu pedestal de granito,
eu rutilo contra o desarranjo das estrelas,
esquadrinho marés conduzidas
pelas excentricidades da lua,
escavo brumas
que se sedimentam para dormir
sobre o arrulho das águas.
Enquanto a areia e o oceano serenam,
eu sou um sol rápido
: varro o horizonte num bater de pálpebras,
adentro janelas casualmente encortinadas,
resvalando nisso e naquilo,
meu lume suavizado
pelos desgastes e usos frequentes,
amortizado em formas e talhes.
Eu me estiro em luz,
mas nunca longe o bastante
: eu não toco seu sono.


sexta-feira, 24 de outubro de 2014 12 comentários

Desacerto


Declaro para os devidos fins
que estou num daqueles dias
quando o bom do diálogo
é obrigar o outro a calar a boca.
Portanto, fique quieto,
escute com os olhos;
saiba o que os gestos contam.
Não colora o silêncio com gracejos –
algumas coisas são melhores vazias.
Viciaram a roleta e querem
que apostemos o futuro –
o maior prêmio é um orgasmo
e um holerite no final do mês.
Tudo é cilada, não se engane.
Eu tenho comigo essa fragrância da recusa,
esse ódio aos limites, às mentiras deferentes,
à impostura diária, ao tato.
Naquele nível de consciência irrelevante,
senatorial, onde as questões
que o desejo já respondeu são
debatidas e tabuladas até mais tarde,
escolhi o longo caminho do exemplo
ao atalho do conselho.
Seja por inteligência ou por cansaço,
parei de tentar encaixar o redondo no oval.
No entanto, é vão
: toda descoberta se deteriora numa certeza,
e toda ideia numa ideologia.
Já me vendem ali na esquina,
numa barraca de camelô,
o rebelde em pechincha,
dois por R$ 1,99.


sexta-feira, 3 de outubro de 2014 10 comentários

Pecúnia


Não retrai
a extrema velhice,
 

não cura
moléstia crônica,

não resolve
a angústia. O dinheiro

não é tudo. Tudo é 

a falta de dinheiro.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014 14 comentários

Uma questão de perspectiva


a.                             b.
O blecaute             O blecaute
mais último:          mais íntimo:
   
rendição                 nem uma
incondicional        única palavra.
   
aos exércitos         O afeto
da tristeza.             fenece
   
No espelho            e nos seus olhos
dos seus olhos      de espelho,
   
fenece                    os exércitos
o afeto.                  da tristeza.


quarta-feira, 3 de setembro de 2014 18 comentários

Sem bis e sem depois


Encontrei você num fio de cabelo
seu em minha blusa de moletom
azul outro dia. Pensei de início
que era meu, até que o alcancei
para jogá-lo fora. Uma longa linha
de pálido vermelho que se estendia
para sempre, agarrando-se a mim até
o último segundo, a estática entre nós
praticamente irrompível, no intenso liame
que nos enlaçava como se só através
do toque um não se perdesse do outro.
Ao termo de seu comprimento,
o fio se viu livre de repente, e eu vacilei
por um ligeiro instante, reivindicando
um momento de luto, um esboço de lágrima, 

antes de lançá-lo ao vento. 

quarta-feira, 13 de agosto de 2014 18 comentários

Ciranda

                                
                              Quem aduz, induz;
       

    quem induz, conduz;                   quem conduz, deduz; 
                             
                              quem deduz, seduz;
                              

                              e quem seduz, aduz.

domingo, 3 de agosto de 2014 16 comentários

Ao rés do chão


O que me resta é tristeza,
adensada pelos cantos.
Um amargor de certeza
de ainda haver mais espantos.
Meus sorrisos e prantos
somam uma só estranheza –
não são demônios, nem santos:
sou eu, em minha inteireza.


quarta-feira, 9 de julho de 2014 12 comentários

Ocorrência


A tristeza crônica de um fim de tarde.
Nuvens criando rugas no céu lilás,
o ar frouxamente obstruído por teias.
Atravesso a hora final do crepúsculo
com a tácita consciência da grave presença do mundo,
com a compacta serenidade de uma árvore. 

Satisfeito comigo, como um hibisco.

quarta-feira, 2 de julho de 2014 18 comentários

Elegia a um gato chamado Tobias


Antes, eu não queria você.
Minha vida já parecia
abarrotada de afazeres e cuidados,
sem que eu precisasse cuidar de mais alguém.
Nunca algo. Você nunca foi algo, sempre alguém.
Chegou com personalidade,
olhos azuis de minha avó, veja só!
E aquele olhar de esfinge,
querendo me indagar sobre coisas que,
se eu não me cuidasse, ficariam
perpetuamente sonegadas,
sob o manto da rotina.

Eu lhe dei as respostas que queria? Fiz-me entender?
Seu olhar persistentemente azul e o ronrom cavo
nunca me deixaram claro.

Seu arquear-se para um carinho,
o esfregar-se em minhas pernas,
o miado – único e sucinto – não os há.
Você se foi.

Eu não entendo essa perda, essa ausência.
Eu não entendo, mas você parecia entender, Tobias.
O mundo era fácil para você, sistêmico, metódico.
tudo em seu canto, seu lugar.
Passadas descompromissadas sobre o sofá.
O deitar no meio da porta, a interromper o roteiro.
E como Drummond, nunca me esquecerei,
que no meio do meu caminho,
houve você, filhote querido, coisa peluda,
a me ensinar a ser um tiquinho mais humano.


quarta-feira, 11 de junho de 2014 12 comentários

Trama



Desatados os nós
o que nos resta
é a beleza dos laços.


quarta-feira, 4 de junho de 2014 12 comentários

Marcador de livro


Esquecido dentro
da página trinta e três,
abaixo do título:
um caso de amor amassado.


quarta-feira, 21 de maio de 2014 16 comentários

Despenhadeiro


“Escolher alguém é desvendar uma vida inteira.
E convidar a pessoa a desvendar a sua”
(Hanif Kureishi)


O vento põe calafrios
na alma das vidraças,
faz a ecometria do silêncio.
A pupila exercita a orgia
do ver olho no olho.
Você está mais linda do que de costume.

 
(Não há limite à beleza,
apenas proporções de olhares).

Seu colo é
berço e manjedoura
no desabrigo desta noite,
a diferença entre estar
presente e fazer companhia.

Quem nos dera fosse sempre assim,
essa quietude e contento. Há dias de liça,
rusgas nos pormenores da rotina,
azinhavre na ternura.
Já vivi isso antes e sei de toda a dor,
como tudo acaba.
Seus olhos craseados
ainda me fitam e contam-me
do contrário: toda a perfeição
de me saber adequado
e inequívoco aqui, ao seu lado.

Apesar dos avisos,
esqueço o que sei,
arrisco-me às consequências,
quebro os preceitos.

Minha cremnofobia que se dane,
quero é mais me atirar
nos braços desse precipício.


quarta-feira, 7 de maio de 2014 10 comentários

Nexo


É a memória que nos remata?

A interrogação foi proposta por ela
ao cuidar do tio com Alzheimer,
a rede de fusíveis sinápticos se apagando,
as pequenas cidades do cérebro recenseadas
e encontradas vazias.
Onde estão o roxo e o amarelo dos ipês,
agora que na abandonada praça da recordação
configura-se um sentar ausente?
Que livros e fotos são esses,
economicamente dispersos pela estante?
Quem é esse menino na parede
que insistem que seja eu,
eu que não o conheço?
Os cômodos da casa vão
evanescendo palmo a palmo.
O presente verga-se em si mesmo,
grotescamente, sem contextura e sem fim,
um detalhe a mais fenecendo a cada dia.
Será também o amor remendado de passado?
O que será de nós, as balizas desaparecidas?
Sentiremos a ausência eclodir, quase indolor,
cada vez mais o outro rosto fazendo menos sentido,
coisa nenhuma se construindo entre nós?
O amor é findo quando a memória se gasta?



quarta-feira, 16 de abril de 2014 12 comentários

Litogravura


Coreto de concretagem ciclópica,
bancos em dispersão isotrópica.
Sombra, quase que microscópica.
Localidade nem tão misantrópica -
contumacíssimo verde ainda medra
dentre a praça impressa na pedra.


quarta-feira, 9 de abril de 2014 12 comentários

Um pouco além do alcance



Todo
o inefável que há
entre esse verso
e o próximo,

é poesia.


domingo, 30 de março de 2014 18 comentários

Expediente


“Eu tenho medo do ótimo e do superlativo.
Quando começa a ficar muito bom,
eu ou desconfio ou dou um passo para trás.”
(Clarice Lispector)

A matemática casual dos afetos
: o pretenso cálculo, o passo em falso.
E de repente, a ternura toma posse
sem aviso, no momento preciso
em que sói acontecer.

Talvez eu não estivera pronto,
na covardia que sempre me envolvera,
pusilânime homem de palha.
Porventura eu desistira
por ser demasiadamente irresoluto,
desprezível em minha timidez.

O inusitado de nosso encontro
fora por demais insólito e eu,
ímbele e perplexo, nunca soube
como me portar na conflagração do amor.

Desertei do sentimento, não sem antes
bater-me com suas missivas, que reli
um sem número de vezes antes de
ser tomado por esse desejo incendiário,
fagulha que incinerou todas as linhas e envelopes.

Nunca lhe respondi,
frases se acumularam na posta restante,
sem saber que não se guardam palavras.
Quando poupadas, decompõem-se
na própria usura e hoje pergunto:
como posso desqueimar suas cartas?

sexta-feira, 14 de março de 2014 14 comentários

Poética


As falácias do poema
sob o laço da palavra.

Os cimélios da palavra
sob a seda do poema.

As delícias do poema
sob o foro da palavra.

Os negócios da palavra
sob a luta do poema.

As penúrias do poema
sob o jugo da palavra.



sábado, 22 de fevereiro de 2014 10 comentários

Ampulheta

)
Esperando Godot?
(

O tempo se desdobrando
feito um origami às avessas,
num esforço de se fazer
tabula rasa gotejando pelo colo
de uma clepsidra, enquanto
o coração lateja paralelo
às batidas do relógio, deixando
tudo o mais como que contaminado
por analgésicos, sob o extenuante
desânimo do sábado à tarde,
(desincomodado) com o sol
a queimar os móveis da sala de estar.


domingo, 9 de fevereiro de 2014 14 comentários

Concerto inacabado


Para Polly:
sobretudo, amiga.

Nunca escutei uma música plena
em seu piano. Seus dedos nunca
completaram, sem erro, uma melodia.

O máximo que escutei,
quase inteira (sempre um quase), 

foi quando ainda
você morava longe
de mim, sozinha,
e eu me encantei
pelos seus talentos
tantos outros.

Você se mudou
para dentro aqui
e o piano também veio.

Mas ele nunca soou nada todo;
sempre os erros,
reputados à falta de prática.

Também nós dois,
agora, na hora da partida:

aquém de um dueto,
além de qualquer conserto.

Faltou-nos prática em conviver?


quarta-feira, 22 de janeiro de 2014 12 comentários

Sal

                                                                                                O amor é um poço à nordeste,
                                                                                                e a sede é sem mapa.

Você abre a porta, e há
uma pausa desajeitada:
entre as batidas do coração
e a cadência do relógio,
a convergência de ímpetos e trajetos
nesse quarto, nesse dia, nessa vida.

No alvoroço quiescente
que antecede o som da sua voz,
seus olhos em mim,
um sorriso em todo corpo.

Naquele momento entre as palavras,
enquanto a antecipação flameja pelas veias,
é a soma disso tudo
que seca minha garganta.

 
 
;