domingo, 28 de dezembro de 2014

Isto (ou) aquilo


Isto é aquilo
que significa
nada.

Algo que não
está faltando.

Algo contudo,
não é uma coisa.

Coisa, mas não
alguma ou qualquer,
aquilo que não é
o oposto,
isto que é
a soma.

14 comentários:

Raquel Sales disse...

Poeta,

Nestes tempos de virada, tudo, nada, parte, soma podem significar uma infinitude ou uma efêmera fração de instante. Que todos os significados sejam prenúncio de novos tempos. Que em 2015 sejamos inteiros...
Bjs...
Inté 2015

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

Foi pensando nisso, ainda que não intencionalmente, que quis publicar este poema, aqui. Que haja, sobretudo, significados. E bons!

Beijos e inté! Obrigado pela visita!

Anônimo disse...

Caríssimo POETA,
Sempre admirei seu interesse pela Semiótica.Este poema expressa seu estudo profundo e contínuo.
.....................................
E o título "Isto (ou) Aquilo" me fez voltar à minha constante "dúvida existencial"(sic). (Ela me ocorre antes de todas as atitudes a serem tomadas).
Estou sempre questionando, como "disse" Cecília Meireles:
"OU isto, ou aquilo: ou isto, ou aquilo...
e vivo escolhendo o dia inteiro...
Mas não consigo entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo."(AAAI!)
Grande abraço,
Andrea Marcondes

Fabrício César Franco disse...

Andrea,

Admiro muitíssimo Cecília. Há um livro dela, as Obras Completas, que eu vivo tencionando, nas estantes de minha mãe.

Quanto à semiologia, faço como li, uma vez: "o ofício do poeta é acordar, todos os dias, uma palavra de seu sono de dicionário".

Abraço, com carinho!

Rafaela Figueiredo disse...

que efeito fantástico, Franco!
ainda to desvendando suas camadas; relendo, relendo...

um beijo

Fabrício César Franco disse...

Rafaela,

Obrigado pela visita, e pelo comentário. Espero que com seu "relendo, relendo", isso não queira dizer que fui muito hermético.

Um beijo!

Nanda disse...

Fiquei um tantinho confusa; mas acho que sou assim por natureza. Que a gente consiga achar os significados mais próximos do real; talvez seja a saída! :)

Fabrício César Franco disse...

Nanda,

Que os significados se expliquem, se apresentem a nós, durante a "leitura".

Um abraço e obrigado por deixar seu comentário!

Anônimo disse...

Poeta,

Ou isto é muito difícil de entender ou eu tenho probleminha mesmo.

Beijo

Morena

Fabrício César Franco disse...

Morena,

Não é seu problema. É do autor. Quis falar algo tão rarefeito que perdeu o contato com seus leitores. Hermetismo, um dano grave aos escritores, principalmente àqueles que se arvoram a fazer poesia. Ficarei mais atento, daqui para a frente.

Beijo!

Will Carvalho disse...

Esse tem sua marca. Ou melhor, a marca que seus poemas imprimem em mim.
Ficam ruminando cá dentro.
Me disse algo. Algo que vale. Mas algo que preciso de tempo pra maturar e expressar o que é...
Esse lugar é demais

Fabrício César Franco disse...

Will,

Primeiramente, obrigado pela visita!

E que o tempo de ruminação não seja longo, para que volte mais vezes. (A ruminação, tomara, também não seja árdua).

Abraço!

Impulsiva disse...

Uau, haja inspiração pra tanta riqueza de detalhes. Amei, e senti cada palavra.

Fabrício César Franco disse...

Kenia,

Que bom ter sua visita. Obrigado pelo comentário. Venha mais vezes!

Abraço!

 
;