domingo, 20 de outubro de 2013

A náusea


Começou: meu corpo, consumpto e lasso,
aturdido no cânion dos lençóis,
vai se enrodilhando como caracóis,
sob o peso do meu cansaço.

Sem indício de andaime, sou lançado
nesse ilhéu que se tornou minha cama.
Cercado pelo sono por todos os lados,
vou me alastrando pelo panorama

de um extenuante langor de domingo,
sonhando com a semana, onde me extingo
num abrandamento torpe e servil
em labores de cunho mercantil,
que me reduzem a mero perfil –
cadastro, ficha, menos do que um pingo.


10 comentários:

Anônimo disse...

Caríssimo POETA:
Filósofos e poetas PENSAM profundamente...
...................................
"La Nausée"...( o terrível existencialismo sartriano!)
...................................
Nas minhas angústias existenciais, prefiro "buscar" Kierkegaard.
...................................
PENSE e VIVA, POETA!você é muito importante para nós que o amamos e admiramos tanto!
Grande abraço,
Andrea Marcondes

Fabrício César Franco disse...

Andrea,

Que seu olhar, sempre atento, permaneça vivo e alerta sobre meus textos o quanto mais. Preciso disso.

Abraço, com muito carinho!

Raquel Sales disse...

Fabrício,

O texto é bom, mas detestei o tema... rsrsrsrs... Em dias de adaptação ao horário de verão, deixou-me deveras deprimida... rsrsrsrs...

Bj

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

... Aqui não há tal horário, graças a Deus. Sempre é verão, então, não há porquê de um horário diferenciado. Contudo, ao ler tantos desmandos e mazelas do governo, só me restou o sentimento de estar apequenado diante de tudo o que acontece (e com tão pouco a reagir).

Beijo!

Su Palanti disse...

Como é bom mergulhar neste mar fresco e convidativo e não sair de lá por nada... Adoro os domingos, adoro minha cama...
Bjusss

Fabrício César Franco disse...

Su,

... Também gosto da minha, mas não como uma prisão feita de tédio. Que sejam, camas de todos nós, lugares onde descansemos e coloquemos a tertúlia com Morfeu em dia.

Beijo!

Rafaela Figueiredo disse...

Resultado de mim hj, pleno sábado...

Admiro tanto sua capacidade de tornar lindos os mais crus segmentos desta vida.

Bjo, poeta

Fabrício César Franco disse...

Rafaela,

E eu admiro seu olhar arguto sobre os mesmos temas, ainda que sua perspectiva seja, por vezes, arisca e matizada de melancolia.

Beijo, poetisa!

Nanda disse...

Hoje passei pra deixar um abraço; estou resfriada; cansada e sem muita inspiração. =D

Fabrício César Franco disse...

Nanda,

Primeiramente: melhoras. Depois: toda e qualquer pegada por aqui é muito bem-vinda. Gosto muito. Obrigado por tirar um tempinho para comentar.

Abraço!

 
;