domingo, 9 de fevereiro de 2014

Concerto inacabado


Para Polly:
sobretudo, amiga.

Nunca escutei uma música plena
em seu piano. Seus dedos nunca
completaram, sem erro, uma melodia.

O máximo que escutei,
quase inteira (sempre um quase), 

foi quando ainda
você morava longe
de mim, sozinha,
e eu me encantei
pelos seus talentos
tantos outros.

Você se mudou
para dentro aqui
e o piano também veio.

Mas ele nunca soou nada todo;
sempre os erros,
reputados à falta de prática.

Também nós dois,
agora, na hora da partida:

aquém de um dueto,
além de qualquer conserto.

Faltou-nos prática em conviver?


14 comentários:

Anônimo disse...

Caríssimo POETA,
Visitei várias vezes o LOGOMAQUIA, nestes últimos dias. Revi"SAL" e outros poemas... E hoje -
agradável surpresa - encontro CONCERTO INACABADO!
..................................
Li... reli... pensei:
Nem sempre é possível CONSERTAR nossos relacionamentos. Somos instrumentos que a vida construiu(cada um ) de maneira singular.É difícil realizar o CONCERTO... Chega um momento em que é doloroso, mas necessário, "deletar as partituras" que, ao serem executadas, não apresentam a esperada "consonância". DESARMONIA é INFELICIDADE. Concorda?
..................................
(Desculpe-me o excesso de palavras. Você já me ensinou: "less is more"! sic!)
................................
Grande abraço,
Andrea Marcondes




Fabrício César Franco disse...

Andrea,

Esperava sua perspectiva sobre o fato. Contava com ela, na verdade. E sim, "desarmonia é infelicidade". Por isso que tenho buscado, tanto e mais, ser harmônico na execução desta partitura que me foi dada: minha vida.

Abraço, com carinho!

Raquel Sales disse...

Poeta,

"Prática em conviver" será (sempre) obra inacabada???? É adagio ou vivace??? Nunca sei ao certo... De qualquer forma que a execução seja o mais harmoniosa possível.

Em tempo: belo texto.

Bj



Fabrício César Franco disse...

Raquel,

Não sei o andamento da melodia. Vezes há que me perco na leitura das notas e fico para trás, perdido em minha cacofonia...

Beijo e obrigado pela visita!

Anne Barreto disse...

Querido amigo, a vida é uma melodia inacabada, e que assim permaneça. Quando chegarmos ao fim desta teremos de iniciar outra, talvez com os mesmos acordes, porém com nova harmonia.

Torço pra que sejam felizes, mesmo mudando a partitura no meio do concerto, e que demorem para chegar ao fim desta melodia...

Grande beijo e abraço saudoso...

P.s.: nada conheço de música, partitura, concerto, etc... espero não ter cometido nenhum erro gigante no que escrevi. Rsrs.

Fabrício César Franco disse...

Anne,

O mais importante você conhece: os intérpretes. Obrigado pelas palavras amigas, de conforto. Sim, é na esperança de que haja novo acorde que eu me (ins)piro.

Beijo!

Rafaela G. Figueiredo disse...

lindo e tocante.
concordo plenamente q a vida seja uma melodia inacabada...
mas vale todo concerto, apesar de, no fim, não haver mesmo conserto.

um beijo, poeta

Fabrício César Franco disse...

Rafaela,

Obrigado pelas palavras doces. A harmonia tem me fugido, mas não canso de buscá-la. Afinal, o que nos vale é a melodia construída (seja a duas, quatro, diversas mãos).

Beijo, com carinho!

Nanda disse...

Esses 'quases' complicam demais a vida; mas no final das contas, vale a máxima da música: o importante é viver as emoções. Inté.

Fabrício César Franco disse...

Nanda,

Você tem toda a razão. O importante é que não pare a música (da vida); o espetáculo tem que continuar. Afinal, a plateia (e os atores) ainda estão (muito) vivos.

Inté!

Pollyana Dias disse...

Sem palavras... A emoção foi tamanha que todas elas me fugiram neste momento... Mas sobrou uma: gratidão. Grata por tê-lo por perto, por tudo que me ofereceu e me oferece, por permitir e aceitar o que também eu tinha e tenho para oferecer! É muito bom poder contar contigo, mesmo que mudemos a melodia, a harmonia, o ritmo de nossa trilha sonora, de nosso concerto.
Com amor,
Polly

Fabrício César Franco disse...

Polly,

A gratidão é muito minha. Por todo o aprendizado, por todas as correções de rota, pelo que foi compartilhado. Obrigado, de coração, pelo que vivemos. Beijo, com todo o meu carinho!

Su Palanti disse...

Nem sei o que dizer sobre este belo texto Fabrício... Vi-me total e completamente inserida nesta partitura tão bem escrita...
Bjuss

Fabrício César Franco disse...

Su,

Agradeço muito sua gentil visita e seus comentários. A 'porta' do Logomaquia está sempre aberta para você. Seja muito bem-vinda!

Abraço!

 
;