quarta-feira, 6 de abril de 2016

Uma época em diagrama


O niilismo 
                          traça
                                                     sua 
                                                     carta 
                                                     geográfica
                                                                              : 
                          faz-se
                                                     ideologia 
                          da nossa 
                                                                                        impotência.


12 comentários:

Anônimo disse...

Caríssimo POETA,
Verdade terrível expressa em seu POEMA: vivemos o CAOS político, econômico, ÉTICO!
Mas, prefiro fazer como MOISÉS: CRER! e atravessar "a pé enxuto" este MAR DE LAMA. Nietszche, jamais!
É preciso ter ESPERANÇA. E penso nos bens que a VIDA me proporciona:família, pessoas que amo (o verdadeiro valor do EXISTIR). Como Ferreira Gullar, "digo":
"...sei que a vida vale a pena
mesmo que o pão seja caro
e a liberdade pequena".
Meu abraço,
Andrea Marcondes

Fabrício César Franco disse...

Andrea,

... Para você ver, esse é um poema antigo, idos da década de 90. O mundo é cíclico, cada vez mais tenho certeza disso. Infelizmente, os ciclos estão descendentes.

Abraço, com carinho e "sodade".

Raquel Sales disse...

Poeta,

Forte coisa esse poema. Sei que a história é cíclica. Mas sinceramente, ainda tento vislumbrar finais mais felizes. Quem viver verá...
Bjm

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

... Tomara! Pois as nuvens negras se acumulam no horizonte do porvir, daqui de onde vejo.

Abraço, com carinho!!!

Nanda disse...

Por incrível que pareça, apesar de tudo - e olha que teve mesmo de tudo, estou com esperanças de que o país saia fortalecido dessa crise. Passei tanto tempo sendo o 'peixinho do contra'; sempre questionando esse desgoverno, quando a maioria achava tudo uma maravilha. As máscaras caíram. Agora é recomeçar e tentar reconstruir o país,. Fácil, não será. Mas se dessa vez for feita realmente Justiça, vamos melhorar muito. Oremos :-)

Fabrício César Franco disse...

Nanda,

...Oremos!

Rafaela Figueiredo disse...

O meu niilismo nem chega a ser a ideologia; tá mais para falta de.
Que tempos, Franco, que tempos...

Bjo, poeta

Fabrício César Franco disse...

Rafaela,

Estamos todos nessa postura (ou seria falta de?). Tempos muito difíceis...

Beijo!

Valença disse...

Fabrício,
o bom senso,o anseio por justiça, a necessidade de transparência dos fatos, a exposição (moral ou ilegal) das manobras explícitas, a retirada da máscara que expõe a ferida,são sentimentos que, depois de despertos, continuam a morar no íntimo da maioria das pessoas de bem, mas não necessariamente as que mais se manifestam. Essa é minha bandeira!
Tempo, tempo, tempo, tempo...
Abração!

Fabrício César Franco disse...

Eliana,

Que você tenha razão. Não estou conseguindo exigir de mim esta esperança. Mas que o tempo venha provar que você está certa.

Abraço e obrigado pela visita!

Sonia Oliveira disse...

Bravo!






poesiaelucidez.blogspot.com

Fabrício César Franco disse...

Olá, Sonia!

Obrigado pela visita! Seja muito bem-vinda!

 
;