segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Escopo


Pelo inferno e o céu de todo dia,
eu conservo somente um desejo:
transformar o tédio em poesia.

Que seja do que em mim silencia,
ou do que sinto, mas que não vejo –
o essencial é que haja a lexia.

(Se, tal como uma sala vazia,
a página frustrar-me o que almejo,
que, ao menos, não se faça a atonia).


10 comentários:

Carina B. disse...

Ótimo desejo, transformar tédio em poesia. Mas difícil, né? Poesia precisa de vida para nascer...
:)

Ana SS disse...

Tédio em poesia.
Arte da melhor qualidade.

Fabrício Franco disse...

Carina,

Ouvi, dia desses, que há pessoas que ainda ousam chamar o tédio de vida. Nem todo mundo vive 'la vida loca', então, acho que cabe poesia aqui também. :)

Obrigado pela visita!

Fabrício Franco disse...

Ana,

Quiséramos poder fazer desta arte nossa lida diária, não?

Obrigado por vir me ler. :)

Angélica Lins disse...

Que universo fantástico esse dos blogs, nos faz descobrir pessoas assim como você - Suave e intenso na exata medida.

Encantada.

Fabrício Franco disse...

Angélica,

Quem agradece, encantado, a visita, sou eu. Obrigado por vir me ler. Tomara que eu consiga lhe trazer aqui mais vezes... Seja sempre bem-vinda!

Tati disse...

Sou fã da palavra 'transformar' e principalmente das pessoas que conseguem, de fato, transformar coisas ruins em boas. Tento me transformar um pouco a cada dia.
Gostei muito daqui!
Beijos...

Fabrício Franco disse...

Olá, Tati.

Seja muito bem-vinda. Transformações são parte essencial de nossa existência: quem não muda,já morreu. Obrigado pela visita, e volte sempre!

Beijo!

Van disse...

E transformas muito bem!

Fabrício Franco disse...

Van,

Muito obrigado! Olhos gentis, os seus... :)

 
;