terça-feira, 22 de março de 2011

Das águas que sabem de março


Fui hipnotizado pelas ondas
de um olhar
implacavelmente azul.

E na força das águas,
                            aportei

onde os olhos sabem suas lágrimas:

             enseadas lentas,
                            praias desertas e cais
             abandonados
em noites de recuerdos ao luar.

Súbito,

ventou um silêncio de brisa
                            e sem demora

                   : águas passadas,
                            sem ressaca.


12 comentários:

Princesinha Parabólica disse...

Perfeito!

Fabrício Franco disse...

Muito obrigado! Seja sempre bem-vinda!

Elem Rosa disse...

Boas são as histórias com começo, meio e fim "sem ressaca".
Que venham outras!
Beijo.

Fabrício Franco disse...

Elem,

Precisamos aprender a fluidez da água; assim, corremos menos perigo de ficar enrascados nas tramas que não nos fazem sentido.

Beijo!

Ronysi disse...

Amei!

Fabrício Franco disse...

Ronysi:

Muitíssimo obrigado pela visita! Volte sempre & mais!

Beijos!

Ana SS disse...

Tsunamis por aqui...

Giovanna Cóppola disse...

Águas passadas, sem ressaca. Acredito que seja importante olhar para trás, mas somente se a vista for bonita. Bela poesia, Fabrício, gostei daqui. :)

Fabrício Franco disse...

Giovanna,

Bem-vinda! Todos nós temos, como automóveis, ao menos um retrovisor. Nem sempre a vista é bonita ou prazeirosa, mas ainda assim, perscrutá-la vezenquando é essencial, ao menos para evitar repetir os erros. O melhor de tudo é surfar nas memórias boas e deixar fluir a tristeza das não tão boas para longe de nossas praias.

Volte sempre!

Fabrício Franco disse...

Ana,

Não compreendi, totalmente, onde fica esse 'aqui' que você se refere. Garanto-lhe: aqui não houve desastre. Então resta-me a pergunta: tudo bem com você?

Ana SS disse...

Rs...talvez eu tenha economizado palavras, me desculpe pela falta de clarezas.
O que eu quis expressar foi que aqui sempre leio coisas que me fazem oscilar, mais do que uma onda.
Aproveitei a deixa da "onda" do post e a exagerei em "tsunamis".

=)

Tudo bem, comigo.
"Aqui" é dois lugares. No seu blog, onde estou. E comigo, com quem estou.

Hum...compliquei de novo, né? Rs...

Fabrício Franco disse...

Ana,

Complicou mesmo... Mas era de se esperar, de alguém que estuda Lacan, não é? :)

Beijo!

 
;