quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Segunda pele


O tempo se dobrou
e não dei importância
ao primeiro vinco.

Acreditava que o passar
de meus dedos
pudessem suavizá-lo de vez.

As rugas, hoje,
fazem parte do sorriso.


14 comentários:

Raquel Sales disse...

Poeta,

talvez seja este o grande segredo/aprendizado que a idade trás: sorrir, apesar de...
Desejo, neste dia especial, muitos sorrisos...

Abraços...

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

Sorrir, apesar de... Não é algo fácil, certamente. Muitas vezes, aparenta falso e até cria mais problemas. Contudo, é resiliência aplicada saber rir, principalmente de si mesmo.

Abraço e obrigado pela visita!

Renata de Aragão Lopes disse...

... e, com elas, uma infinidade de descobertas!

Segunda pele e novos olhares.

Felicidades, amigo!

Fabrício César Franco disse...

Poetisa,

Que assim o seja!

Obrigado, pela visita, pela cordialidade, pelo afeto, e, sobretudo, pela POESIA.

Um abraço!

Anônimo disse...

Caríssimo POETA,
Neste texto, a realidade que vivemos: O TEMPO DEIXA MARCAS...É por isto que Cecília Meireles escreveu : "Em que espelho ficou perdida a minha face?"(RETRATO).Em você, as marcas o ENRIQUECERAM, a começar pelo charme da barba!(sic)
Grande abraço. Bênçãos e alegrias para você e todos que o cercam.
Andrea Marcondes

Fabrício César Franco disse...

Andrea, caríssima,

Obrigado pelas bênçãos. Que essa alegria a mim desejada se espalhe por aí, também.

Abraço, com "sodade".

Filósofas de botequim disse...

Poeta,

As rugas são os escritos do tempo na nossa pele que ajudam a contar a nossa história. As suas tem te deixado ainda mais charmoso.

Beijos,

Indie

Fabrício César Franco disse...

Indie,

Obrigado pelo comentário carinhoso. Espero, apenas, que o charme seja suficiente para ainda entreter, quando a poesia me faltar.

Beijos!

crazy40blog disse...

Elas constroem! :)

Fabrício César Franco disse...

Olá, Dulce (@crazy40blog):

Sim, elas constroem, inclusive pontes entre dois continentes, ligados pela lusofonia.

Obrigado pela visita.

Rafaela Figueiredo disse...

Franco, caríssimo poeta,
Que a suavidade das rugas sejam sentidas sob a leveza do sopro do tempo.
Que ele traga bons caminhos e q tenhamos um país melhor, um mundo melhor.
Um feliz 2016!

Bjos

Fabrício César Franco disse...

Rafaela,

Muito grato por sua visita! Que o laço da poesia continue a nos ligar, nos próximos 365 dias, e além. Grande beijo e meus desejos de que o ano lhe seja terno.

JB disse...

Te desejo mais rugas de alegrias!

Fabrício César Franco disse...

JB, caríssima:

Obrigado pela visita ao Logomaquia. E, obrigado também pela gentileza do que me escreveu.

Beijo!

 
;