domingo, 3 de janeiro de 2016

Janela


A manhã,
que se forma já por dentro
consumida, sói
num solo de retinas
: dói nos olhos.


12 comentários:

Nanda disse...

Passei um tempo distante, mas coloquei a leitura em dia! E acordo tão cedo, com tudo escuro e cheia de coisas pra fazer, que mal me dou conta de olhar pela janela. :)

Fabrício César Franco disse...

Oi, Nanda!

Que bom que tê-la de volta aqui. Que as janelas se abram para você nesse novo ano, trazendo novas luzes!

Raquel Sales disse...

Poeta,
Toda manhã é invasiva... Não há como fugir de tanta luz... Concordo, por vezes, dói nos olhos e na alma, mas dá a sensação de recomeço. Que as manhãs de 2016, sejam de bons recomeços...
Bj

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

Que assim seja! E que você volte por aqui, mais vezes. É sempre muito bem-vinda!

Beijo!

Anônimo disse...

POETA,
Li seu poema. Fui à janela, observei o sol que explodia sobre as árvores e me "acordava" para os compromissos do dia. Voltei ao texto. E, como sempre, me encantei. Em apenas cinco versos, você expressa a realidade e a dimensiona em forma de ARTE, de beleza.
Meu abraço.
Andrea Marcondes

Fabrício César Franco disse...

Andrea,

Assisti, recentemente, uma palestra do professor Leandro Karnal, em que, entre outras coisas, ele afirma que está cada vez mais difícil se escrever com nexo, usando sujeito e predicado, para as novas gerações. Penso que, com isso, ele quer dizer que quem escreve - poemas ou não - está com seus dias contados. Teremos que repensar e redefinir o modo de fazer poético, daqui para diante. Enquanto isso, vou escrevendo sobre a realidade (quotidiana) e tentando fazer sentido.

Abraço, com carinho!

Fredson Castro disse...

Parabéns Fabrício! Que as palavras continuem a fluir como torrentes de águas, e que as mesmas possam proporcionar vida e alegria a todos aqueles que delas se beneficiam. Um sincero abraço e um ano novo muito feliz.

Fabrício César Franco disse...

Obrigado pela visita e comentário, Fredson!

Seja sempre bem-vindo ao Logomaquia, e fico muito grato pelos votos!

Rafaela Figueiredo disse...

Gosto dessas conexões sutis, casuais ou advindas de alguma conexão extrapoética...
Pois que ando procrastinando a troca de minha persiana, por essas invasões matinais. Rs mas gosto tanto de ir deitar e ficar olhando uma estrelinha, q fica bem à altura da janela, a embelezar meu pré-sono...

Bjo, poeta
Salve!

Fabrício César Franco disse...

Rafaela,

Vezenquando, o melhor é deixar uma fresta nos trazer um pouco de poesia extravida, quando tudo parece duro e mesmo.

Beijo!

Cecilia disse...

O tempo não para para abrilhantar o recomeço!
Belas palavras.
Conheci seu Blog pesquisando na net. Parabéns e adorei!

Fabrício César Franco disse...

Oi, Cecilia!

Bem-vinda ao Logomaquia. Que bom que gostou, fico agradecido.

Fique à vontade para perambular pelos escritos mais antigos e dar sua opinião!

Um abraço!

 
;