quinta-feira, 29 de março de 2012 22 comentários

Talhe


São dois
os gumes e uma
só ferida

: mesma lâmina.

sexta-feira, 23 de março de 2012 24 comentários

Riacho


segunda-feira, 19 de março de 2012 24 comentários

Sessão da tarde


De todos os assentos 
que você poderia ter 
escolhido neste amplo,              desmedido 
ambiente, todo 
vazio, todo                                   disponível, 
                                                            você 
escolheu logo 
aquele próximo a mim. 

Eu estava 
sôfrego por solidão, 
por um espaço 
quieto e escuro 
nos minutos desagendados
                                                           à força, 
para abrandar 
os círios de minha alma 
nas janelas dos olhos lentos. 

Queria me despir 
deste indumento 
de fruta couraçada 
e não cogitar 
das desavenças,
                                                          desperdícios 
que se fomentam no mundo. 

Será que você percebeu? 

Eu me sentei aqui,                  entorpecido, 
                                                         cataléptico, 
                                                         pesado na cadeira, 
pés descalços sobre o assoalho, 
a friagem penetrando
                                                         a passo 
                                                         nas solas. 

                                                         Agora, 
estou atento 
a cada respiração sua. 
Sento-me 
                                                        empertigadamente 
e mastigo minhas balas de goma, 
                                                        circunspecto, 
para não lhe perturbar 
de forma alguma.



sábado, 17 de março de 2012 34 comentários

Quimera


Encontrei uma rosa em seus olhos,
um oceano em seus lábios.

Só que a rosa
virou ferida.
E o oceano, 

sede e suor.

terça-feira, 13 de março de 2012 32 comentários

Filosofema


Tua verdade
não é
a única,

mas aquela
em que mais
acreditas.

Eis:
em absoluto.


quarta-feira, 7 de março de 2012 24 comentários

Vértice


Em resumo:
permanecemos vagos e ermos
dentro de nossos muros.
As pessoas se rechaçam,
arquitetas de suas lidas de vidro,
sofrendo suas mortes a crédito.

E assim, vidas se misturam,
incompletam-se,
e a dúvida subsiste:
se somos o que calamos,
existimos por elipses?


domingo, 4 de março de 2012 20 comentários

Esfinge


 
;