quarta-feira, 25 de setembro de 2013

O vento & a folha


18 comentários:

Nanda disse...

Estava pensando que nem mesmo o vento é sempre o mesmo. Varia na direção, intensidade... De qualquer forma, como comentei no Twitter, gostei muito.

Anônimo disse...

Levando-se também em conta,as tantas diferenças existentes entre as fohas...Complicadores das reações.

Fabrício César Franco disse...

Nanda,

Obrigado pela leitura gentil de meu texto, como de sempre.

Abraço!

Fabrício César Franco disse...

Olá, Anônimo!

Gosto de visitas, sabe? Melhor ainda quando se identificam. De todo modo, seja sempre bem-vindo por aqui. Da próxima, deixe um rastro, uma pegada, uma identificação. Assim, acho eu, fica mais amistoso!

Abraço!

Anônimo disse...

Poeta, sua avaliação não poderia ser mais precisa.
Mesmo quando a situação parece a mesma para todos nós, cada um tem sua forma de sentí-la.
Tem folhas que tentam resistir à força do vento, e acabam se partindo, enquanto outras se deixam guiar por ele, se curvando diante de sua força para só depois, na calmaria, voltar à sua posição.

Gostei muito!
Beijo,
Morena

Fabrício César Franco disse...

Morena,

Primeiro: obrigado pela visita. Fico mesmo muito agradecido por ter seus comentários aqui. Segundo: essa frase tem sido, dentre algumas outras, meu mantra para suportar as refregas do dia-a-dia.

Beijo!

Raquel Sales disse...

Poeta,

Já que vc autorizou, repito o comentário que postei no face.
Fato: se a folha resiste, ele a castiga... se a folha deixa-se envolver, ele a acaricia...

Inté
Bj

Valença disse...

" O Tempo e o Vento"... (em tempo)...marcando as folhas com tonalidades e intensidades diferentes.
Não deixe de assistir o filme que estréia em rede nacional esta semana. Obra de Érico Veríssimo dirigida por Jaime Monjardim e filmada também em minha cidade, Pelotas. Abração

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

... E é assim com o nosso destino, pois não?

Inté!

Fabrício César Franco disse...

Eliana,

Tentarei ver sim, afinal Érico Veríssimo é um dos meus autores favoritos de tempos de adolescência. Obrigado pela visita!

Abraço!

Anônimo disse...

POETA,
Constato: sou folha rebelde. Tento ficar presa ao ramo... "magré tout"!
Preciso me flexibilizar (sic!)
Grande abraço,
Andrea Marcondes

Fabrício César Franco disse...

Andrea,

Se a árvore não for do passado rancoroso, aquele que guarda mágoas, ficar atada ao galho não tem problemas. Faz parte da constituição da folha.

Abraço!

Renata de Aragão Lopes disse...

Sim:
frio ou quente,
tufão ou brisa,
o vento é sempre feito de vento. Folhas,
somos todos tão diferentes...

Abração,
Doce de lira

Fabrício César Franco disse...

Renata,

Que alegria ter seu comentário aqui. E um daqueles que só você consegue tecer, cheio de doçura e argúcia. Obrigado!

Beijo!

Rafaela Figueiredo disse...

Sim, poeta!
Somos diferentes - por Natureza.

Beijos

Fabrício César Franco disse...

Rafaela,

Obrigado pela visita! E que bom que somos diferentes: assim, nos tornamos complementares.

Beijo!

Will Carvalho disse...

Folhas que resistem, impenetráveis,no alto das áreas, folhas que caem, colorem o chão, folhas que voam, fazendo-se uma só, folha e vento.

abraço, amigo!

Fabrício César Franco disse...

Will,

Que saibamos aprender a lição de todas elas, meu amigo!

Abraço!

 
;