quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Um de muitos


O real decide o possível:
                      nunca expressa tudo o que escrevemos,
                      nunca escreve tudo o que expressamos.


14 comentários:

Luciana disse...

É. Invade e decide.

Fabrício César Franco disse...

Liu,

Há saídas para isso? Estaremos sempre à mercê?

Zroberto Araujo disse...

... do pensamento até essa ponta do lápis?! aiai rsrsrs

Anônimo disse...

Caríssimo POETA,
Prefiro, hoje, me restringir ao ATO DE ESCREVER ( o que você realiza de maneira admirável!). A literatura é o registro da realidade. Ela sempre estará associada a alguma realidade: são realidades verdadeiras, realidades possíveis ou apenas imagináveis, dependendo do que o leitor consegue recriar.Concorda?
Grande abraço,
Andrea Marcondes

Fabrício César Franco disse...

Zroberto,

Que bom ter sua visita por aqui. Hoje em dia, em tempos de escrita digital, o lápis anda esquecido. Mas muito ainda se perde no trajeto cabeça-dedos, isso não muda.

Fabrício César Franco disse...

Andrea,

Aprendi contigo que a "comunicação está em quem recebe".

Abraços, com muita "sodade".

Rafaela Figueiredo disse...

Essas sínteses, falando da imperfeição, beiram o oposto.
Adorei!

Beijo, Franco

Fabrício César Franco disse...

Rafaela,

Que bom que pode vir me visitar por aqui... Sim, sínteses são o que busco, porque, às vezes, as palavras me tomam de assalto e parecem não cessar seu caudaloso fluir por mim.

Como preconizava o mestre Melo Neto: menos é mais, cortar para significar.

Beijo!

Raquel Sales disse...

Fabrício,

O real e o irreal ficam brigando comigo o tempo todo... Nunca sei a qual deles sucumbir... Ambos são incompletos...
Quanto ao poema em si, como de costume, breve e preciso...

Inté bj


Fabrício César Franco disse...

Raquel,

Antes de mais nada: obrigado pela visita! Gosto de ter sua leitura e comentário por aqui.

Eu ando sucumbindo ao real, pois é mais fácil lidar com o que há do que com o que poderia haver.

Inté!

Raquel Sales disse...

Fabrício,

De nada... é sempre privilégio ler o que vc escreve...

Só pra filosofar mais um tiquim: Não seriam as artes uma irrealidade que nos ajuda a administrar a realidade???

Hora de dormir e preparar pra voltar à rotina

Boa semana (real ou irreal)

bj

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

... Você acertou no alvo, novamente. A arte nos conecta com a irrealidade para nos amparar na dura realidade.

Inté e boa semana!

Will Carvalho disse...

Ser poetá é viver uma antítese.

Parabéns!

Fabrício César Franco disse...

Will,

E que baita antítese, meu caro!

Obrigado pela visita!

 
;