domingo, 1 de março de 2015

Escrito


Às folhas tantas
do esboço, a palavra
acontece.


(Sem mais delongas,
sem nem saber
se te enfara
ou te apraz,
ela se instala).


Em súplica,
feito úlcera,


dói na página.


À deriva


nessa espuma de frases,
meu tempo é assim

consumido


numa caligrafia perplexa


no branco,


a escavar
abismos na fina
superfície da folha,

em busca do bálsamo
que vai

aliviar a agonia


daquela única


palavra.

16 comentários:

Raquel Sales disse...

Poeta,

Palavra é assim... Tem vida própria e, se deixar, instala-se onde bem entende... Pode até fazer estragos irreparáveis.
Domá-la é habilidade para poucos...
Continue adestrando palavras e nos presenteando com preciosidades como esta.

BJ e boa semana.

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

Adestrador de palavras, quem me dera. Nessas horas, pareço mais um daqueles simulacros, com uma cadeira numa das mãos, o chicote na outra, e batendo os joelhos em pânico. A palavra não me obedece muito, vem quando quer e como quer. E ultimamente, nem tem vindo. Quando sequer dá o ar da graça, sempre parece vir já na grife de outrem, ecos do que já li.

Beijo e bom novo mês!

Raquel Sales disse...

TSC, TSC, TSC...

Mande a modéstia às favas, caríssimo.
VC maneja a cadeira e o chicote com maestria.

Outro bj

Fabrício César Franco disse...

Raquel,

Obrigado pelo voto de confiança!

Beijo!

Anônimo disse...

Caríssimo POETA,
"Lute com as palavras"(sic).
Aproveite seu dom. O resultado é compensador para você, e, sobretudo,para nós, os leitores
Grande abraço,
Andrea Marcondes

Fabrício César Franco disse...

Andrea,

Continuarei a duelar com as palavras. Vício, suplício, única saída. E que bom que, algumas vezes, consigo capturar o interesse volátil do leitor.

Abraço, com carinho!

Anônimo disse...

Caríssimo POETA,
Relendo o poema, achei oportuno passar-lhe estas palavras de Rachel de Queiroz:
"Adoro a poesia e gosto de descascá-la até a fratura exposta da palavra. A palavra é meu inferno e a minha paz".
....................................
(Acho que é o que acontece a você e a todos os escritores.)
Grande abraço,
Andrea Marcondes

Fabrício César Franco disse...

Andrea,

Raquel de Queiroz foi felicíssima na imagem: "fratura exposta da palavra". Gostei tanto disso! Realmente, é o que eu busco, trazer de volta à vida a palavra presa na latência do dicionário.

Abraço, com imenso carinho!

Rafaela Figueiredo disse...

quando dá erro no envio, nunca sei se foi ou não foi mesmo... :/

bom, achei um verdadeiro encanto.
tua palavra conduz. e fiquei besta com o 'escavar o abismo na fina superfície da folha'!
é isso..
apraz, poeta, certamente apraz!

beijos

Fredson Castro disse...

"Que dizer, pois perante tais versos? Resta-nos apenas o sentir, que de nós flui pela caneta e se derrama sobre o papel. Sentimentos de tinta."
Está incrível Fabrício! Deu até inspiração aqui :D

Fabrício César Franco disse...

Rafaela,

Obrigado por tentar novamente, mesmo quando o Blogger insiste em não enviar a mensagem. E obrigado, ainda mais, pelas palavras de elogio. Bom saber que o que escrevo lhe apraz. Tenho sentido falta dos seus escritos. Por onde andam?

Um beijo, com carinho!

Fabrício César Franco disse...

Fredson,

Meu caro, é bom demais saber que o que eu escrevo serve de estopim para outros escritos. Taí uma grande sacada da poesia: esse elo que se faz entre leitor e leitura, e a produção do que é lido em forma de um novo texto. Que esse ciclo não se perca!

Um abraço!

JB disse...

Continue a escrever! Gosto de ler.

Fabrício César Franco disse...

Jaine,

Mesmo na Europa, sou lido? Quanta honra!!!

Beijo!

JB disse...

Claro que é! Um ótimo passa tempo nas longas horas de aeroporto! ;)

Saudades!

Fabrício César Franco disse...

JB,

Que bom saber que, mesmo distante, nas brechas de espera de aeroportos, meus poemas lhe fazem companhia.

Beijo, com saudades!

 
;